Petróleo fecha em alta após estoque de gasolina cair

Os contratos futuros de petróleo subiram para a máxima em sete semanas, com o petróleo na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) subindo acima de US$ 61,00 por barril na máxima do dia pela primeira vez no ano, depois do relatório do Departamento de Energia dos EUA (DoE) ter apontado um declínio muito acima do esperado nos estoques de gasolina e produtos destilados - que inclui diesel e óleo para aquecimento - na semana passada. O relatório semanal do DoE apontou um declínio de 5 milhões de barris nos estoques de destilados, de uma expectativa de queda de 2,8 milhões de barris dos analistas. Os estoques de gasolina encolheram em 3,1 milhões de barris, de uma expectativa de aumento de 100 mil barris dos analistas. Os estoques de produtos derivados de petróleo acumulam uma queda de 40 milhões de barris, ou 8%, ao longo das últimas quatro semanas, segundo dados do DoE. "O relatório foi simplesmente bullish (de alta), com um declínio acima do esperado nos estoques de destilados e gasolina", disse o analista Tim Evans, do Citigroup em Nova York. "No geral, tivemos um crescimento da demanda bastante sólido nos EUA, assim como a deterioração da produção da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), portanto, temos alguns fundamentos de razoável suporte" aos preços, acrescentou. No pregão viva-voz da Nymex, os contratos de petróleo para abril subiram US$ 0,88, ou 1,46%, e fecharam a US$ 60,95 por barril; a mínima foi de US$ 59,75 e a máxima de US$ 61,25. Os contratos de gasolina RBOB para março subiram 501 pontos, ou 2,94%, e fecharam a US$ 1,7548 por galão, de uma máxima no dia de US$ 1,7600 - seu melhor nível desde 5 de setembro de 2006. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para abril subiram US$ 1,27, ou 2,14%, e fecharam a US$ 60,62 por barril. A mínima foi de US$ 58,87 e a máxima de US$ 60,85. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.