Petróleo fecha em alta com ganho menor nos estoques

Os contratos futuros de petróleo negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) fecharam em alta nesta quarta-feira, após um ganho menor do que a esperado nos estoques dos EUA. Dados positivos da Europa também colaboraram para o bom humor dos investidores. O contrato de petróleo mais negociado, com entrega para junho, subiu US$ 1,00 (1,05%), fechando a US$ 96,62 o barril, o maior nível desde 2 de abril. Na plataforma eletrônica ICE, o barril do petróleo do tipo Brent para junho teve queda de US$ 0,06 (0,06%), encerrando a sessão a US$ 104,34.

AE, Agencia Estado

08 de maio de 2013 | 16h54

O Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) do governo dos EUA divulgou hoje que os estoques de petróleo bruto do país subiram 230 mil barris na semana encerrada em 3 de maio, para 395,514 milhões de barris. Analistas consultados pela Dow Jones tinham previsto uma alta significativamente maior, de 1,7 milhão de barris. Mesmo assim, os estoques atingiram o maior nível desde abril de 1981. "Não somos somente nós que temos muito petróleo, todo mundo têm muito petróleo. Não há motivos para os preços estarem nesses níveis", comenta Mark Waggoner, presidente da Excel Futures.

Os estoques de gasolina recuaram 910 mil barris, enquanto analistas esperavam queda de 300 mil barris. Já os estoques de destilados subiram 1,812 milhão de barris, ante uma estimativa de aumento de 400 mil barris. A taxa de utilização da capacidade das refinarias subiu para 87%, a previsão era de que a taxa avançaria menos, para 84,8%.

O petróleo tem sido pressionado nas últimas semanas por persistentes sinais de fragilidade na demanda global e uma alta na oferta. Mas preocupações com a escalada da guerra civil na Síria têm mantido os traders precavidos ante uma possível interrupção no fornecimento vindo do Oriente Médio. Relatos não confirmados de uma explosão no Irã ontem provocaram um forte e breve pico no petróleo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleofechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.