Petróleo fecha em alta com nervosismo sobre o Irã

Os contratos futuros de petróleo subiram em Londres e Nova York, depois do Irã ter negado acesso aos inspetores da ONU a uma usina nuclear subterrânea e dado indicações adicionais de que planeja desafiar o prazo final dado pela organização para suspender seu programa de enriquecimento de urânio, segundo analistas. O Irã, que no início deste mês ameaçou usar suas exportações de petróleo como arma se a ONU aplicar sanções contra o país, disse que vai responder nesta terça-feira sobre o pacote de incentivos oferecido em troca de seu programa nuclear. "Grande parte das especulações agora está concentrada sobre o que a ONU fará com o Irã", disse o operador Aaron Kildow, da Prudential Financial em Nova York. "Parte da alta de preços foi de fundo, ficando comprados para terça-feira; eu não penso que há muitas dúvidas de que o Irã continuará a desafiar a ONU", acrescentou. O Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução que suspende o programa de enriquecimento de urânio do Irã até 31 de agosto, ou o país terá de enfrentar sanções econômicas e diplomáticas. O líder espiritual supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, disse que seu país continuará a perseguir a tecnologia nuclear, de acordo com a tevê estatal. O Irã, segundo maior exportador de petróleo do Golfo Pérsico, tem argumentado que seu programa de enriquecimento de urânio é para gerar energia nuclear e não armas. Na Nymex, os contratos de petróleo para setembro fecharam a US$ 72,45 o barril, alta de US$ 1,31 (1,84%). A mínima foi de US$ 71,45 e a máxima de US$ 72,50. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para outubro fecharam em US$ 73,38 o barril, alta de US$ 1,08. A mínima foi de US$ 72,53 e a máxima de US$ 73,74. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

21 de agosto de 2006 | 17h23

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.