Petróleo fecha em alta com possível queda na produção

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) e na Bolsa Intercontinental (ICE, em Londres). O mercado reagiu a informes de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) vai reduzir sua produção para dar sustentação aos preços. Os preços do petróleo abriram em alta forte, depois de um dirigente da Opep dizer que os países membros do cartel concordaram em reduzir a produção em 1 milhão de barris por dia, sendo que a Arábia Saudita cortaria sua produção em 300 mil barris por dia. Mais tarde, o presidente da Opep e ministro do petróleo da Nigéria, Edmund Daukoru, negou que houvesse acordo sobre o tamanho do corte na produção, mas ressalvou que "nós concordamos que alguma coisa precisa ser feita" e disse que "teremos que chegar a um acordo sobre quanto, quando e como distribuir [o corte] entre os países membros". A agência de notícias oficial da Argélia, por sua vez, disse que a Opep vai se reunir em caráter emergencial nos dias 18 e 19 de outubro. "Foi um dia duro. Primeiro, ouvimos que a Opep está reduzindo a produção, o que puxou os preços para cima. Mais tarde, alguém diz que eles não estão reduzindo, e depois ouvimos de novo que haverá reduções. O corte de 1 milhão de barris por dia não seria um problema no momento, mas, com a aproximação do inverno, em novembro e dezembro, isso poderia causar problemas", comentou o operador e analista Aaron Kildow, da Prudential Financial. Para o analista Tim Evans, do Citigroup, as declarações de Daukoru indicam que ainda não há um consenso dentro da Opep. "Se eles acertarem os detalhes, isso deverá levar os preços a subir. Se eles não conseguirem, agora que um acordo parece fácil de alcançar, isso também terá conseqüências, e elas não serão bonitas", disse Evans. Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para novembro fecharam a US$ 60,03 por barril, em alta de US$ 0,62; a mínima foi em US$ 59,34 e a máxima em US$ 60,97. Na ICE, os contratos de petróleo Brent para novembro fecharam a US$ 60,00 por barril, em alta de US$ 0,78, com mínima em US$ 59,06 e máxima em US$ 60,94. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.