Petróleo fecha em alta com temores sobre Irã e refinarias

O barril de petróleo negociado em NY fechou em alta de quase US$ 2 hoje, acenando com o nível de US$ 62. Novos problemas em refinarias somaram-se às preocupações já antigas com a estabilidade de países fornecedores do produto. Houve indicações não confirmadas de que a BP PLC estaria com problemas em retomar as atividades em uma de suas refinarias na Califórnia, depois de uma queda de energia. Mas o foco esteve mesmo concentrado no Irã. O ministro de Relações Exteriores daquele país, Manoucher Mottaki, disse ontem que o Irã "não vai usar o petróleo como um instrumento de política internacional" e prometeu que vai abastecer a Ásia, seu principal mercado, com o "petróleo que for necessário". Mas depois ele mesmo levantou dúvidas, ao afirmar que esses planos poderiam ser reconsiderados. "Se chegarmos a um ponto em que o aparato internacional não atender aos direitos da nação iraniana, as políticas da República Islâmica podem passar por um novo exame", disse ele. No sábado, o ministro do Interior havia indicado que o Irã poderia usar o petróleo e sua localização estratégica como uma arma política caso a Organização das Nações Unidas (ONU) puna o país por causa de suas atividades nucleares. Em NY, os contratos de petróleo com vencimento de mês de abril fecharam em US$ 61,77 o barril, alta de US$ 1,81 (3,02%). Em Londres, o tipo Brent fechou em US$ 62,34 o barril, alta de US$ 1,51 (2,48%). As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.