Petróleo fecha em alta influenciado por crise no leste

Os contratos futuros de petróleo negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) reverteram a tendência das últimas três sessões e fecharam o pregão em leve alta em meio ao temor de que haja diminuição da oferta mundial da commodity caso sanções sejam aplicadas à Rússia. O petróleo para abril fechou em alta de US$ 0,21 (0,21%), a US$ 98,20 por barril.

MATEUS FAGUNDES, Agencia Estado

13 de março de 2014 | 16h45

Hoje, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse que a União Europeia estava pronta para impor sanções à Rússia, cujo governo apoia o referendo deste final de semana. Na votação, a população na Crimeia irá decidir se continua a fazer parte da Ucrânia ou se a península será anexada ao território russo.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, também reforçou o coro contrário ao referendo e ameaçou mais uma vez a Rússia. Obama disse que, a menos que o governo de Vladimir Putin recue, "os Estados Unidos e seus aliados seriam forçados a aplicar um custo à Rússia" por conta "das violações ao direito internacional e da invasão do território ucraniano".

"As sanções contra a Rússia certamente têm a capacidade de trazer uma reação explosiva para os preços do petróleo bruto e do gás natural, porque o país é o maior produtor de energia da Europa", disse o analista-chefe de mercado da AvaTrade, Naeem Aslam. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.