Petróleo fecha em alta, mas abaixo das máximas do dia

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta modesta na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) e na Bolsa Intercontinental (ICE, de Londres). Os futuros de petróleo abriram em alta e chegaram a subir US$ 1 por barril, em reação a informes de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) teria decidido reduzir sua produção em 1 milhão de barris por dia; o anúncio oficial seria feito ainda hoje, com a divulgação de um comunicado. Mais tarde, porém, um porta-voz do presidente da Opep, Edmund Daukoru, afirmou que a organização havia decidido contra a realização de uma reunião emergencial e que nenhum anúncio de corte de produção seria feito. "Agora, parece haver mais incerteza sobre se haverá um corte. Até que tenhamos uma decisão firme e concreta, o mercado estará vulnerável a um movimento de venda", comentou John Kilduff, da Fimat USA. Outros observadores do mercado mostraram menos ceticismo quanto a um acordo para corte da produção da Opep, mas questionaram se a redução será mesmo de 1 milhão de barris por dia, porque vários países da organização já estão produzindo menos do que suas cotas permitiriam. "Tornou-se claro que o corte será de menos de 1 milhão de barris por dia. Vamos encarar os fatos: qualquer anúncio da Opep sobre cortes na produção tem que ser tratado com ceticismo", disse Pete Donovan, da Vantage Trading. Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para novembro fechou a US$ 59,96 por barril, em alta de US$ 0,20, ou 0,33%. A mínima foi em US$ 59,78 e a máxima em US$ 61,30. Na ICE, os contratos do petróleo Brent para novembro fecharam a US$ 60,54 por barril, em alta de US$ 0,71, ou 1,19%, com mínima em US$ 59,93 e máxima em US$ 61,66. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.