Petróleo fecha em alta, mas cai no pregão eletrônico

Os contratos futuros do petróleo fecharam em leve alta, nas máximas em dois meses, em Nova York, mas passaram à queda posteriormente no sistema eletrônico, seguindo o declínio do dólar e das ações em Nova York desencadeado pela queda de 9% do mercado chinês. No pregão viva voz da Bolsa Mercantil de Nova York, o petróleo WTI para abril subiu US$ 0,07, ou 0,11%, para US$ 61,46, seguindo o preço da gasolina, depois que a Valero Energy informou que sua refinaria McKee em Sunray, no Texas, não retomará seus trabalhos até meados de abril e, a partir daí, só processará 85 mil barris/dia de sua capacidade de 158 mil barris/dia. A refinaria foi fechada após um incêndio no último dia 16. A notícia impulsionou o preço da gasolina RBOB (reformulated Gasoline blendstock for oxygenate blending) ao maior valor em seis meses. O contrato para março da RBOB subiu 2,2% a US$ 1,8175 o galão. Nas transações eletrônicas após o fechamento, o petróleo virou para baixo e, às 18h14 (de Brasília), o contrato do WTI para abril caía 1,76%, para US$ 60,32. "O mercado de ações dos EUA está empurrando o petróleo para baixo com os temores de que a máquina chinesa, que alimentou a alta do petróleo nos últimos anos, derreta", disse o analista Phil Flynn, da Alaron Trading Corp, em Chicago. O Brent para abril caía 1,53% para US$ 60,39 o barril na londrina ICE. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.