Petróleo fecha em alta pela 1ª vez no mês, a US$ 63,97

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta pela primeira vez este mês em Nova York e ficaram estáveis em Londres, com os operadores realizando as apostas bem sucedidas de queda dos preços dos níveis recordes, depois que o Departamento de Energia dos EUA (DoE) informou uma queda acima das expectativas nos estoques comerciais norte-americanos, segundo operadores e analistas. A pequena alta dos preços registrada hoje não é uma indicação de mudança das impressões, disseram operadores. Depois das acentuadas quedas das últimas sete sessões, a ausência, sozinha, de mais dados negativos para os preços deu aos participantes do mercado que apostavam num declínio uma chance para realizar lucro comprando contratos. "Você não pode cair para sempre", disse o analista Bill O'Grady, da corretora A.G. Edwards em St. Louis. "Em algum ponto você tem de realizar algum lucro", acrescentou. O DoE informou que os estoques de petróleo bruto caíram em 2,9 milhões de barris na semana passada, de uma estimativa dos analistas de queda de 1,5 milhão de barris. Por outro lado, houve aumento dos estoques de gasolina e destilados - que inclui diesel e óleo para aquecimento. "Os dados foram um pouco confusos e quando o petróleo não seguiu em baixa nesta sessão as pessoas acharam que poderia ser hora de realizar algum lucro", disse o operador Dominick Caglioti, da MK Brokers em Nova York. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de petróleo para outubro fecharam a US$ 63,97 o barril, alta de US$ 0,21, ou 0,33%. A mínima foi de US$ 63,50 e a máxima de US$ 64,75. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para outubro fecharam a US$ 62,99 o barril, estável em comparação com o fechamento de ontem. A mínima foi de US$ 62,62 e a máxima de US$ 63,83. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.