Petróleo fecha em baixa após atingir preço máximo

Os contratos de petróleo bruto para maio fecharam em baixa nesta terça-feira na New York Mercantile Exchange (Nymex), mas mantiveram-se acima dos US$ 66 o barril. As perdas, limitadas pelos fortes ganhos dos contratos de gasolina, refletiram as expectativas dos operadores de que os estoques de petróleo bruto nos Estados Unidos aumentaram pela sétima vez em oito semanas. A previsão dos analistas consultados pela Dow Jones é que o relatório semanal do Departamento de Energia (DOE) vá mostrar amanhã um crescimento de 740 mil barris dos estoques. A queda dos preços do petróleo hoje, depois que o produto atingiu ontem a máxima em oito semanas, parece indicar uma correção necessária em um mercado superaquecido, segundo operadores. "Está claro que o mercado estava 'puxado' demais e agora está perdendo um pouco de fôlego", disse o analista do Société Generale, Michael Guido. Apesar disso, as vendas de hoje não mudaram as expectativas dos operadores em torno de problemas na produção de combustíveis nos EUA. Uma fonte informou que parte das atividades da refinaria Alliance, da ConocoPhillips, não foi retomada, contrariando as previsões, por causa de problemas não especificados. A refinaria tem capacidade de 247 mil barris por dia. Além disso, os participantes desse mercado continuam preocupados com os possíveis efeitos de uma temporada agitada de furacões esperada para este ano, de protestos trabalhistas em refinarias européias e de tensões relacionadas à Nigéria e ao Irã. Na Nymex, os contratos de petróleo para maio fecharam em US$ 66,23 o barril, queda de US$ 0,51 (0,76%). A mínima foi de US$ 65,60 e a máxima de US$ 66,65. Os contratos de gasolina para maio saltaram 3,23 cents, para US$ 1,8955 o galão, impulsionados pela expectativa de queda dos estoques do combustível no relatório do DOE amanhã. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para maio encerraram em US$ 66,39 o barril, com recuo de US$ 0,54. A mínima foi de US$ 65,73 e a máxima de US$ 66,87. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.