Petróleo fecha em baixa com dados de estoques

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda após os dados do Departamento de Energia (DoE) terem mostrado uma queda menor do que o esperado nos estoques de destilados, que incluem óleo de calefação e diesel, e das previsões de temperaturas mais amenas para a região Nordeste dos EUA. O DoE informou que os estoques de destilados encolheram em 3 milhões de barris na semana passada, de uma expectativa de declínio de 4,3 milhões de barris dos analistas entrevistados pela Dow Jones. "Apesar de o petróleo ter caído mais do que o esperado, a redução nos estoques de óleo de calefação abaixo do esperado foi o fator que mais pressionou o complexo", disse Mary Haskins, da Man Financial. Já a National Oceanic and Atmospheric Administration, órgão dos EUA de pesquisas meteorológicas, informou que prevê temperaturas acima do normal para a época na região Nordeste, que é responsável por 80% da demanda por óleo de calefação, na semana de 21 a 27 de fevereiro, encerrando um período de semanas de temperaturas abaixo do normal. A previsão de elevação da temperatura gerou especulações de queda na demanda por óleo de calefação, segundo operadores e analistas. "Se as previsões de meteorologia continuarem a mostrar temperaturas acima do normal para fevereiro e março, estará acabado para o óleo para calefação e as pessoas vão se concentrar sobre a gasolina", disse o analista Phil Flynn, da corretora Alaron Trading Corp em Chicago. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de gasolina para março fecharam a US$ 1,6162 por galão, alta de 71 pontos, ou 0,82%, enquanto os contratos de óleo para aquecimento para março caíram 549 pontos, ou 2,77%, para US$ $1,6383 por galão. No pregão viva-voz da Nymex, os contratos de petróleo para março caíram US$ 1,06, ou 1,79%, e fecharam a US$ 58,00 por barril. A mínima foi de US$ 57,50 e a máxima de US$ 59,20. Em Londres, na ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para abril fecharam a US$ 57,43 por barril, em queda de US$ 1,35, ou 2,08%. A mínima foi de US$ 57,00 e a máxima de US$ 58,83 por barril. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.