Petróleo fecha em baixa com paralisação de refinarias

Os preços do petróleo recuaram nesta quinta-feira, 27, influenciados pela paralisação da atividade em algumas refinarias e em meio a um novo capítulo da crise na Ucrânia. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos do petróleo para abril fecharam em baixa de US$ 0,19 (0,19%), a US$ 102,40 por barril. Na IntercontinentalExchange (ICE), em Londres, os contratos do petróleo Brent para abril fecharam em queda de US$ 0,56 (0,51%), a US$ 108,96 por barril.

MATEUS FAGUNDES, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES, Agencia Estado

27 de fevereiro de 2014 | 18h29

A queda do petróleo em Nova York foi motivada pelos relatos de interrupções nas atividades de refinarias no Canadá e no Texas. Para o analista da Oil Outlook & Opinions Carl Larry, essa parada pode indicar uma redução da demanda pela commodity. Larry afirmou também que "os indicadores econômicos dos EUA divulgados hoje foram um pouco problemáticos", com os pedidos de auxílio-desemprego na última semana subindo e as encomendas de bens duráveis caindo.

Porém, as perdas da sessão não foram maiores porque os investidores continuam animados com aumento menor do que o esperado nos estoques de petróleo nos EUA anunciado ontem pelo Departamento de Energia; isso poderia indicar que a demanda norte-americana pela commodity ainda continua aquecida.

O Brent, por sua vez, foi mais uma vez pressionado pela crise na Ucrânia. Na manhã de hoje, homens armados tomaram o controle do Parlamento da Crimeia, no sul do país, e hastearam uma bandeira russa no local. O caso intensificou as tensões internas na nação do leste europeu, que agora se divide entre manifestantes pró-Europa, em sua maioria da região oeste, e pró-Rússia, da região sul e oriental.

"A situação na Ucrânia não afetou o petróleo bruto negociado na Nymex, mas é um dos fatores que está pressionando os preços do Brent em Londres", afirmou o analista da Sevens Report Tyler Richey.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.