Petróleo fecha em direções divergentes após Fed

Os contratos futuros de petróleo encerraram o pregão em direções divergentes nas duas principais bolsas de comercialização da commodity. Em Nova York, o petróleo foi impulsionados pela notícia de que o Fed irá continuar com o ritmo de retirada de estímulos à economia e que projeta um desemprego menor no próximos anos. Em Londres, o calote de uma grande incorporadora da China continuou desanimando os investidores e puxaram os preços para baixo.

MATEUS FAGUNDES, Agencia Estado

19 de março de 2014 | 18h53

O Federal Reserve anunciou nesta quarta-feira, 19, que irá reduzir as compras mensais de bônus em mais US$ 10 bilhões, para US$ 55 bilhões, a partir de abril. Embora a retirada de estímulos deixe o dólar mais caro para os compradores estrangeiros, na opinião dos investidores, essas medidas indicam que as perspectivas do crescimento econômico dos EUA estão aumentando, o que podem impulsionar a demanda futura da commodity.

A projeção de um desemprego menor em 2015 e 2016 pelo Fed também animou os investidores. "Isso levará a uma demanda maior de derivados de petróleo à medida que as pessoas têm de se deslocar para os postos de trabalho", disse Carl Larry, analista da Oil Outlooks & Opinions.

Também influenciaram as negociações hoje em Nova York a divulgação da leitura de estoques pelo Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês). Embora houvesse uma alta maior da quantidade de petróleo estocado, os derivados da commodity caíram mais do que o previsto, um sinal de que a demanda continua aquecida.

Em Londres, a notícia sobre o provável calote da incorporadora Zhejiang Xingrun Real Estate em seus empréstimos bancários de 3,5 bilhões de yuans (US$ 388 milhões), divulgada ontem, ancendeu mais um alerta sobre a demanda da China, o segundo maior consumidor mundial de petróleo, e manteve pressionados os preços do Brent.

"O Brent está sendo pressionado por preocupações renovadas sobre a China, após o colapso da Zhejiang Xingrun", disse Addison Armstrong, diretor de pesquisa da Tradition Energy.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo para abril, que vence amanhã, fechou em alta de US$ 0,67 (0,67%), a US$ 100,37 por barril. O petróleo para maio fechou em alta de US$ 0,29 (0,30%),

a US$ 99,17 por barril. Em Londres, na IntercontinentalExchange (ICE), o petróleo para maio fechou em queda de US$ 0,94 (0,88%), a US$ 105,85 por barril. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.