Petróleo fecha em direções opostas com API e China

Os contratos futuros de petróleo encerraram o pregão desta terça-feira, 25, em direções divergentes influenciados pela expectativa de um aumento dos estoques da American Petroleum Institute (API) nos Estados Unidos - dado que ficaria disponível somente no final da tarde - e de um aumento das importações da commodity pela China.

MATEUS FAGUNDES, Agencia Estado

25 de março de 2014 | 18h08

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo bruto para maio fechou em queda de US$ 0,41 (0,41%), a US$ 99,19 por barril. Na IntercontinentalExchange (ICE), em Londres, o petróleo Brent encerrou em alta de US$ 0,18 (0,17%), a US$ 106,99 por barril.

Analistas consultados pela Platts previam que o relatório da API apresentaria uma subida de 2,6 milhões de barris dos estoques de petróleo bruto nos EUA na semana encerrada em 21 de março. Quando os estoques aumentam é sinal de que a demanda pela commodity e seus derivados diminui.

"A negociação de hoje mostra que houve alguma realização de lucros do petróleo antes do relatório da API e um movimento oposto ao Brent, o que está contribuindo para a volta do spread entre os contratos negociados em Nova York e Londres", disse Tim Evans, analista de energia da Citi Futures.

Por outro lado, o Brent foi impulsionado pela notícia de que a China importou um volume recorde de petróleo no mês passado. Segundo a agência Xinhua, os estoques de petróleo bruto chinês subiram 4,3% ao final de fevereiro, em relação ao mês anterior. O aumento da importação mostra que a demanda do país asiático, o segundo maior consumidor mundial, está aquecida. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.