Petróleo fecha em leve alta com queda do dólar

Os contratos futuros de petróleo negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) fecharam em alta moderada nesta sexta-feira, impulsionado pela desvalorização do dólar e por compras de pechincha, após quedas recentes.

ÁLVARO CAMPOS, Agencia Estado

21 de setembro de 2012 | 17h13

O contrato de petróleo para novembro ganhou US$ 0,47 (0,51%), fechando a US$ 92,89 o barril. Mesmo com a alta de hoje, o petróleo acumulou queda de 6,17% esta semana. Na plataforma eletrônica ICE, o barril do petróleo do tipo Brent para novembro avançou US$ 1,39 (1,26%), fechando a US$ 111,42 hoje. Na semana, a retração acumulada foi de 4,49%.

Os avanços do petróleo acompanharam os ganhos das bolsas e de outras commodities, que foram beneficiadas pela alta do euro ante ao dólar. Como é denominado na moeda norte-americana, o petróleo se torna mais barato para compradores que usam outras divisas quando o dólar se enfraquece.

O sentimento em relação à zona do euro melhorou após o jornal britânico Financial Times divulgar ontem que a Comissão Europeia e a Espanha estão negociando um pacote de resgate para o país. Segundo Phil Flynn, o petróleo também foi impulsionado por compras de pechincha, após fechar em queda nas últimas quatro sessões. "As quedas recentes foram muito fortes, talvez os preços estejam muito baixos", comentou.

Em junho o petróleo chegou a cair abaixo de US$ 80,00 o barril, mas desde então a commodity começou a se recuperar, com esperanças de que a crise na Europa estava diminuindo. Recentemente, entretanto, os preços se aproximaram de US$ 100,00, o que assustou alguns investidores, que acreditam que os ganhos foram exagerados.

Nesta quarta-feira, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) do governo dos EUA divulgou que os estoques de petróleo bruto no país subiram 8,5 milhões de barris na semana passada, bem acima das estimativas dos analistas. A forte alta nos estoques levou muitos investidores a fechar apostas de alta nos preços.

Mesmo assim, os estoques de derivados, como gasolina e diesel, continuam apertados, mantendo os preços elevados. Nesta sexta-feira, o contrato de gasolina reformulada (RBOB) para outubro fechou em alta de US$ 0,0385, a US$ 2,9425 o galão. Já o contrato de óleo para calefação avançou US$ 0,0232, fechando a US$ 3,1207 o galão. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleofechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.