Petróleo fecha em leve alta e gasolina tem dia volátil

Os preços da gasolina dispararam na New York Mercantile Exchange (Nymex) nesta quarta-feira, mas devolveram a maior parte dos ganhos, depois de traders e analistas mudarem suas avaliações sobre o impacto do furacão Sandy na oferta do produto. Os preços do petróleo bruto chegaram ao fim do dia em alta moderada.

RENATO MARTINS, Agencia Estado

31 Outubro 2012 | 18h25

No meio da manhã, os contratos de gasolina para novembro chegaram a subir 7,6%, para US$ 2,938 por galão, com um movimento de pânico de compras por atacadistas antes do vencimento desses contratos, que aconteceria depois do fechamento desta sessão. Participantes do mercado disseram que os atacadistas se viram obrigados a comprar para cobrir posições por players que forçaram os preços para cima, por saberem que os atacadistas precisariam ter, no vencimento, a gasolina prometida nos contratos.

O movimento foi exagerado por temores de problemas no abastecimento de gasolina para a costa leste dos Estados Unidos, devido a problemas causados pelo furacão em refinarias e em oleodutos da região. Os preços passaram a recuar em reação a informes de que os problemas nas instalações da região não eram tão sérios como se temia.

"Havia temores reais afetando o mercado na manhã de hoje. Conforme a situação se tornou mais clara, os preços recuaram, porque sabíamos que não houve efeitos catastróficos da tempestade na infraestrutura de refino", disse o trader John Kilduff, da Again Capital.

Os contratos de gasolina para novembro, que venceriam após o fechamento, chegaram ao fim da sessão a US$ 2,7618 por galão, em alta de US$ 0,0330 (1,21%); os contratos para dezembro fecharam a US$ 2,6303 por galão, em alta de US$ 0,0148 (0,57%).

Os contratos de petróleo bruto para dezembro fecharam a US$ 86,24 por barril, em alta de US$ 0,56 (0,65%). Na Intercontinental Exchange (ICE), os contratos do petróleo Brent para dezembro fecharam a US$ 108,70 por barril, em baixa de US$ 0,38 (0,35%). As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
petróleo fechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.