Petróleo fecha em leve baixa com realização de lucro

Os contratos futuros de petróleo fecharam em leve baixa em Londres e Nova York, depois de acumularem ganhos recordes nos três dias anteriores. Durante as transações do sistema eletrônico da New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos de petróleo para maio registraram a máxima recorde de US$ 72,49 o barril. Contudo, esses ganhos não se sustentaram, com os investidores decidindo realizar lucro antes do vencimento do contrato no final da sessão viva-voz desta quinta-feira. Os contratos de petróleo para junho, que assumem a posição de primeiro mês de vencimento na Nymex a partir de amanhã, terminaram o dia a US$ 73,69 o barril, queda de US$ 0,43 (0,58%). "Estávamos mais do que precisando" de um declínio depois desta semana de alta, disse o analista Bill O'Grady, da AG Edwards em St. Louis. Mas pode não haver espaço para declínios mais acentuados dos preços. "Para conseguir baixar os preços, tem de haver uma redução da tensão" no impasse entre o Irã e a ONU sobre o programa nuclear do governo de Teerã "ou evidências muito convincentes de desaceleração da demanda mundial de petróleo", disse O'Grady. Mas nada disso está ocorrendo. "O Irã ainda está dando declarações hostis" e a avaliação econômica global do Fundo Monetário Internacional (FMI) está mais otimista do que deveria ser, acrescentou o analista. Na quarta-feira, o diretor-gerente do FMI, Rodrigo Rato, disse que "o impacto sobre a economia global tem sido até agora moderado, mas permanece sendo um sério risco". O FMI espera que a economia mundial cresça 4,9% este ano e 4,7% em 2007. O mercado de petróleo está de olho nas notícias de um encontro de ministros de países produtores e consumidores de petróleo no Qatar este final de semana. Antes do Fórum Internacional de Energia, representantes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) alertaram o grupo que não tem poder para reduzir os preços da commodity. "O que podemos fazer que já não tivéssemos feito?", questionou o secretário-geral da Opep, Mohammed Barkindo, acrescentando não ter muitas expectativas sobre o encontro. Representantes da Opep disseram que sua produção está próxima do limite de capacidade e, de qualquer forma, mais petróleo não iria acalmar as intensas preocupações relacionadas à oferta do mercado ou à situação apertada dos estoques de gasolina nos EUA. Na Nymex, os contratos de petróleo para maio fecharam em US$ 71,95 o barril, queda de US$ 0,22 (0,30%); a mínima foi de US$ 70,70 e a máxima de US$ 72,40. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo brent para junho fecharam em US$ 73,18 o barril, queda de US$ 0,55. A mínima foi de US$ 72,37 e a máxima de US$ 74,22. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.