Petróleo fecha em leve baixa em NY

Os preços do petróleo recuaram, em dia de pouca atividade no mercado nesta segunda-feira. Muitos participantes preferiram não assumir riscos nos últimos dias disponíveis para a conclusão das negociações políticas em torno da questão fiscal nos EUA. "Aparentemente, não havia muito desejo ou muita convicção de qualquer lado, para fazer qualquer coisa", disse Kyle Cooper, da IAF Advisors.

RENATO MARTINS, Agencia Estado

24 de dezembro de 2012 | 18h28

Os participantes do mercado continuam na expectativa de que os partidos políticos dos EUA cheguem a um acordo para evitar o chamado abismo fiscal - o fim dos cortes temporários para os mais ricos simultâneo a cortes automáticos de gastos públicos da ordem de US$ 600 bilhões, que entrarão em vigor no começo de 2013. "As pessoas estão sentadas e esperando, mantendo a esperança de que haverá um remendo, e que negociações mais sérias aconteçam em janeiro", disse o trader Andy Lebow, da Jefferies.

"Se os impostos aumentarem e os gastos forem cortados, e se o Escritório de Orçamento estiver certo na tese de que entraremos em recessão, obviamente isso terá um impacto negativo na demanda por petróleo. Mas, para as próximas duas semanas, o efeito será mais orientado por especulação do que por um impacto na demanda", afirmou Lebow.

Kyle Cooper disse esperar volatilidade de preços nos próximos dias, porque haverá poucos traders no mercado. "Se alguém com um certo tamanho interpretar alguma coisa como significativa e quiser operar com base nisso, não haverá muita gente do outro lado. Suspeito que veremos muitos fogos de artifício nos próximos dias", acrescentou.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos de petróleo bruto para fevereiro fecharam a US$ 88,61 por barril, em baixa de US$ 0,05 (0,06%). Na Intercontinental Exchange (ICE), os contratos do petróleo tipo Brent para fevereiro fecharam a US$ 108,80 por barril, em queda de US$ 0,17 (0,16%). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleofechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.