Petróleo fecha em nível mais baixo desde dezembro

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) e na Bolsa Intercontinental (ICE, de Londres). Na Nymex, o nível de fechamento foi o mais baixo desde 27 de dezembro de 2005. Operadores atribuíram a queda a especulações de que a Arábia Saudita, maior exportador de petróleo do mundo, não vai reduzir sua produção, embora o presidente da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) tenha declarado que todos os integrantes do cartel concordaram com um corte. "Parece que a Arábia Saudita não quer reduzir sua produção. Quanto mais tempo eles ficarem quietos, é mais provável que os preços continuem a cair", comentou o analista Phil Flynn, da Alaron Trading. Segundo ele, o mercado está testando o nível psicologicamente importante de US$ 57 por barril. "Estamos numa área em que havia um forte suporte há um ano e na qual o mercado estabeleceu um patamar, antes de alcançar novas máximas. Psicologicamente, se fecharmos abaixo desse nível, isso abre a porta para mais vendas", disse Flyn. Peter Beutel, da Cameron Hanover, lembrou que a única declaração feita recentemente por um dirigente saudita foi a do embaixador do país nos EUA, Turki al-Faisal; em 6 de outubro, ele disse que a Arábia Saudita pretendia ver os preços do petróleo caindo para "níveis razoáveis", para reduzir o impacto das altas dos últimos anos sobre os países em desenvolvimento. Nos últimos dias, os governos da Nigéria e da Venezuela anunciaram que estavam reduzindo sua produção e disseram que vários outros integrantes da Opep fariam o mesmo. "Cada vez mais, parece que a coisa toda é um esquema da Nigéria e da Venezuela", disse Beutel. Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para novembro fecharam a US$ 57,59 por barril, em queda de US$ 0,93, ou 1,59%; a mínima foi em US$ 57,48 e a máxima em US$ 59,10. Na ICE, os contratos do petróleo Brent para novembro fecharam a US$ 58,65 por barril, em queda de US$ 0,69, ou 1,16%, com mínima em US$ 58,53 e máxima em US$ 59,93. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.