Petróleo fecha em nível recorde de US$ 75,19

O aumento da tensão geopolítica e as previsões de queda dos estoques de gasolina nos EUA levaram os futuros de petróleo a fecharem em novo nível recorde de US$ 75,19 o barril, segundo operadores e analistas. O recorde anterior era de US$ 75,17, registrado em 21 de abril. Os ganhos ocorreram com os investidores retornando do feriado prolongado de 4 de Julho nos EUA e iniciando o novo trimestre elevando os preços dos futuros de petróleo, convencidos de que a demanda em alta e as crescentes ameaças à oferta global da commodity vão levá-la a preços mais elevados no segundo semestre. "O novo trimestre tirou o capital de risco do esconderijo", disse o analista Phil Flynn, da Alaron Trading Corp em Chicago. "Os investidores que realizaram lucro ou fugiram do mercado, com os temores de aperto monetário, estão agora rondando para ver onde é o melhor lugar para colocar o dinheiro", acrescentou. Com o mercado se tornando bullish (apostando na alta), os operadores começam a olhar para a próxima marca, de US$ 80,00 o barril. "As pessoas já estão falando nos US$ 80,00", disse o presidente da Cameron Hanover, Peter Beutel. "Este é o nosso próximo nível de teste", acrescentou. O movimento de alta do complexo de energia também ocorreu em meio a crescente tensão global, com o teste de mísseis da Coréia do Norte e o adiamento da reunião entre negociadores do Irã e da União Européia sobre o pacote de incentivos criado para convencer o Irã a desistir de seu programa de enriquecimento nuclear. Finalmente, o forte ganho dos futuros de gasolina ajudaram a alimentar a alta dos futuros de petróleo. Os contratos de gasolina para agosto fecharam a US$ 2,2758 o galão, alta de 570 pontos (2,57%), impulsionados pelas perspectiva de queda dos estoques comerciais dos EUA. Os estoques de gasolina tendem a diminuir nesta época do ano, auge do consumo com as férias de verão. Além disso, neste ano, o fechamento prolongado do canal de navegação Calcasieu, na Louisiana, forçou várias refinarias a reduzirem a produção, o que pode ter contribuído para um declínio mais acentuado dos estoques na semana passada. Analistas entrevistados pela Dow Jones prevêem uma queda dos estoques de gasolina de cerca de 1,4 milhão de barris na semana passada. O Departamento de Energia divulga nesta quinta-feira o relatório semanal dos níveis dos estoques comerciais de petróleo e derivados. "Os dados deverão refletir a contínua forte demanda, o fechamento do canal Calcasieu e a queda na atividade das refinarias", disse Beutel. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de petróleo para agosto fecharam a US$ 75,19 o barril, alta de US$ 1,26 (1,70%). A mínima foi de US$ 73,90 e a máxima de US$ 75,40. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para agosto fecharam a US$ 73,98 o barril, alta de US$ 1,47. A mínima foi de US$ 72,51 e a máxima de US$ 74,22. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.