Petróleo fecha em queda a US$ 95,70 com PIB dos EUA

Expansão de 1,3% registrada no segundo trimestre ficou abaixo do esperado

Álvaro Campos, da Agência Estado,

29 de julho de 2011 | 17h14

Os preços do petróleo fecharam em forte queda, após o Departamento do Comércio dos EUA divulgar que o PIB do país cresceu 1,3% no segundo trimestre, ritmo muito mais lento do que o esperado. Além disso, o PIB do primeiro trimestre foi revisado de expansão de 1,9% para 0,4%.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato de petróleo para setembro caiu US$ 1,74 (1,78%), fechando a US$ 95,70 o barril. Na plataforma ICE, o petróleo do tipo Brent registrou retração de US$ 0,62 (0,53%), a US$ 116,74 o barril.

Antes mesmo do dado sobre o PIB, o mercado já estava sob pressão, com o impasse sobre a elevação do limite de endividamento dos EUA. Os operadores temem que a já frágil perspectiva para a demanda americana por petróleo seja prejudicada ainda mais se o Congresso e a Casa Branca aprovarem um projeto que corte fortemente os gastos do governo.

Alguns participantes do mercado acreditam que é mais forte a probabilidade o barril de petróleo cair para a casa de US$ 80 do que voltar a subir acima do patamar de US$ 100. "Nós podemos ter um crescimento inferior a 2% este ano (no PIB dos EUA), e isso é ruim para o petróleo", afirma Zachary Oxman, diretor da TrendMax Futures.

Na sua última previsão de curto prazo para o setor de energia, a Administração de Informação de Energia dos EUA projetou um crescimento de apenas 0,2% na demanda do país por petróleo, mesmo com um crescimento de 2,5% do PIB este ano.

Enquanto isso, a tempestade tropical Don, que ameaçava a produção de petróleo no Golfo do México, está se dirigindo para a costa do Texas e deve passar longe das refinarias da área de Houston. Algumas empresas que haviam retirado pessoal não essencial de plataformas offshore como precaução já estão chamando de volta os funcionários. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleobarrilNymexBrentPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.