Petróleo fecha em queda acentuada em meio a vendas

No início da sessão, o petróleo chegou a subir graças ao relatório semanal sobre os estoques norte-americanos de petróleo, mas o movimento durou pouco

Ricardo Gozzi, da Agência Estado,

19 de outubro de 2011 | 18h48

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda acentuada em meio a um forte movimento de vendas sob pressão no fim da sessão de hoje. A cotação começou a cair cerca de meia hora antes do encerramento da sessão em Nova York, nos minutos finais de um dia turbulento no qual os participantes passaram a maior parte do tempo testando as águas.

O petróleo para entrega em novembro caiu US$ 2,23 (2,52%) na bolsa mercantil de Nova York (Nymex), encerrando em US$ 86,11 por barril. O contrato novembro deixará de ser negociado amanhã. O petróleo para entrega em dezembro fechou hoje em queda de US$ 2,24 (2,53%) na Nymex, a US$ 86,29 por barril. No mercado eletrônico ICE, o Brent para dezembro recuou US$ 2,76 (2,48%), terminando em US$ 108,39 por barril.

No início da sessão, o petróleo chegou a subir graças ao relatório semanal sobre os estoques norte-americanos de petróleo, mas o movimento durou pouco. O declínio acentuado do petróleo no fim da sessão coincidiu com um recuo no mercado de ações. No mesmo período em que o petróleo se depreciou, o índice S&P-500 da bolsa de Nova York caiu cerca de 1%. A queda começou logo depois da divulgação do Livro Bege do Fed, que constatou crescimento econômico "modesto" ou "leve" na maior parte do país e pouca melhora no mercado de emprego dos Estados Unidos.

Antes da queda de hoje, o barril do petróleo havia subido quase US$ 13 em duas semanas, uma valorização de quase 17%, e analistas observaram que o mercado parecia estar próximo de perder o fôlego. "O petróleo ganhou muito terreno em um período de tempo muito curto", observou Matt Zeman, estrategista de mercado da corretora Kingsview Financial. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoNymexvendas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.