Petróleo fecha em queda acentuada em NY

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda acentuada em NY nesta segunda-feira, de mais de US$ 2, aproximando-se da marca de US$ 60 o barril. Em um ambiente de estoques de petróleo historicamente altos, os operadores usaram a incapacidade dos contratos de subiram com os problemas de oferta na Nigéria como desculpa para vender. Os contratos de óleo para aquecimento e gasolina também caíram forte. "Eu acho que estamos a caminho de testar novamente os US$ 60", disse o operador Ed Silliere, da Energy Merchant Intermarket Futures LLC. "Mas é preciso que os estoques de petróleo sigam aumentando na velocidade em que estão para que isso ocorra." Se os analistas estiverem certos, a oferta segue em alta. A estimativa de 10 economistas consultados pela Dow Jones é que os estoques de petróleo bruto tenham crescido em 2 milhões de barris na semana terminada em 13 de março. O relatório do Departamento de Energia dos EUA (DOE) sobre o assunto será divulgado nesta quarta-feira. Na semana passada, os estoques atingiram o maior nível desde o final de maio de 1999. A oferta é tão elevada, que os operadores se deram ao luxo de ignorar os ataques a um oleoduto na Nigéria neste final de semana. Com o ataque, o fluxo foi interrompido, elevando a perda de produção do país para 631 mil barris por dia. A falta de reação do mercado à notícia aponta para uma complacência que pode abrir caminho para mais quedas dos preços dos contratos, dizem operadores. Em NY, os contratos de petróleo para abril fecharam em US$ 60,42 o barril, com queda de US$ 2,35. Em Londres, o petróleo do tipo Brent para maio fechou em US$ 61,34 o barril, com queda de US$ 1,92. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.