Petróleo fecha estável a US$ 82,55 o barril

Os contratos futuros de petróleo fecharam em leve alta. Apesar de ter sido impulsionado por dados econômicos positivos nos EUA, os ganhos do petróleo foram limitados pela recuperação do dólar.

ÁLVARO CAMPOS, Agencia Estado

26 de outubro de 2010 | 18h17

Os contratos de petróleo negociados na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) com entrega para dezembro subiram US$ 0,03 (0,04%), fechando a US$ 82,55 o barril. Na plataforma ICE, o petróleo do tipo Brent com entrega para dezembro fechou com ganho de US$ 0,12 (0,14%), a US$ 83,66 o barril.

Diversos dados positivos divulgados hoje sugerem um fortalecimento da economia dos EUA, o que elevaria a demanda futura por petróleo. O índice de confiança do consumidor norte-americano medido pelo Conference Board subiu para 50,2 em outubro, sendo que a previsão dos analistas era de que o indicador chegasse a 50.

Um relatório da Redbook Research mostrou que as vendas das redes de lojas nacionais subiram 0,3% nas primeiras três semanas de outubro em relação ao mesmo período de setembro, embora o indicador tenha ficado levemente abaixo do ganho de 0,4% esperado pelos analistas. Enquanto isso, o índice de preços de moradias da S&P/Case-Shiller mostrou que os ganhos anuais nos preços de moradias desaceleraram em 17 dos 20 principais mercados dos EUA.

Os ganhos registrados pelo petróleo no começo da sessão foram rapidamente reduzidos quando o dólar se recuperou em relação a outras moedas importantes. A possibilidade de o Federal Reserve adotar uma nova rodada de estímulos na semana que vem fez com que o dólar atingisse uma nova mínima em 15 anos em relação ao iene ontem. Mas a possibilidade das medidas do Fed não corresponderem às expectativas do mercado, ou que outros bancos centrais enfraqueçam suas moedas, fez com que o dólar se recuperasse hoje. Como o petróleo é denominado em dólar, quando a moeda norte-americana se fortalece a commodity fica mais cara para compradores que utilizam outras moedas. Perto do fechamento do mercado de petróleo, o índice ICE Dollar, que monitora a cotação de moeda norte-americana ante uma cesta de moedas, estava a 77,724, de 77,145 no fim da tarde de ontem.

Os operadores também estão esperando pelos dados sobre os estoques de petróleo nos EUA que serão divulgados amanhã pelo Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês). Analistas esperam um aumento de 700 mil barris nos estoques de petróleo bruto na semana encerrada no dia 22, segundo uma pesquisa da Dow Jones. Os estoques de gasolina devem ter uma queda de 200 mil barris, e os estoques de destilados, categoria de inclui óleo para aquecimento e diesel, devem registrar uma redução de 1 milhão de barris. Na semana passada, o DoE divulgou uma queda de 2 milhões de barris nos estoques combinados de petróleo bruto e combustíveis. "Todos estão esperando pelos números de amanhã", comentou Mark Waggoner, da Excel Futures.

Na França, continuam as greves que estão prejudicando a oferta de combustíveis nas refinarias da Europa. A Petroplus Holdings disse que está fechando sua refinaria de Cressier, na Suíça, que tem capacidade de produzir 68 mil barris por dia, devido à greve nos terminas de Fos e Lavéra, no sul da França, que hoje chegou ao 30º dia. Trabalhadores de oito das 12 refinarias francesas também estão em greve. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleobarril

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.