Petróleo fecha na cotação máxima em 7 meses em NY

Os contratos futuros de petróleo subiram pela sétima sessão consecutiva e atingiram nova máxima em sete meses na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), com o impasse sobre os 15 integrantes da Marinha britânica presos pelo Irã gerando temores de uma escalada na situação que poderá levar os preços às alturas, segundo analistas. Uma indicação da extensão do potencial de alta do petróleo foi dado na noite de terça-feira, quando especulações de uma escalada no conflito no Golfo Pérsico contribuiu para uma disparada de mais de US$ 5,00 em sete minutos, depois do fechamento do pregão viva-voz na Nymex. Os preços dos futuros de petróleo atingiram ontem a máxima de US$ 68,09 por barril antes de recuarem para ao redor de US$ 64,00 por barril, quando autoridades dos EUA negaram a ocorrência de qualquer incidente. "A disparada dos preços mostrou às pessoas o que pode acontecer se a tensão de fato crescer", e é por isso que os preços permanecem mais de US$ 1,00 por barril acima de onde estavam antes da especulação sobre um conflito militar no Golfo ter atingido o mercado, disse o analista de energia Eric Wittenaur, da A.G. Edwards em St Louis. O impasse entre o Reino Unido e o Irã ofuscou os dados semanais sobre os níveis dos estoques comerciais norte-americanos de petróleo e produtos derivados. Os preços do complexo de energia caíram inicialmente em reação ao anúncio de uma queda abaixo das expectativas nos estoques de gasolina, mas rapidamente voltaram a subir, ajudados pelo cenário geopolítico. "O relatório (dos estoques) foi de neutro a bearish (mercado em baixa), com o mercado esperando por quedas mais acentuadas nos estoques de produtos", gasolina e destilados, disse o analista Mike Fitzpatrick, da corretora Fimat USA em Nova York. A tensão no Golfo Pérsico impediu os preços de ficarem negativos, acrescentou. O Departamento de Energia informou que os estoques de gasolina encolheram em 300 mil barris, para 210,2 milhões de barris na semana passada, resultado que ficou bem abaixo da expectativa de queda de 1,1 milhão de barris dos analistas. Os estoques de petróleo bruto encolheram em 900 mil barris, ante uma expectativa de aumento de 1,1 milhão de barris, enquanto os estoques de destilados - que inclui diesel e óleo para aquecimento - recuaram em 700 mil barris, próximo da previsão de declínio de 800 mil barris. No pregão viva-voz da Nymex, os contratos de petróleo para maio subiram US$ 1,15, ou 1,83%, e fecharam a US$ 64,08 por barril. A mínima foi de US$ 63,70 e a máxima de US$ 64,85. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para maio subiram US$ 1,18, ou 1,83%, e fecharam a US$ 65,78 por barril. A mínima foi de US$ 65,19 e a máxima de US$ 66,67. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.