Petróleo fecha no menor nível desde 11 de fevereiro

Os contratos futuros de petróleo negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) fecharam no menor valor desde 11 de fevereiro à medida que os investidores temem uma desaceleração na economia da China e um aumento nos estoques semanais de petróleo nos Estados Unidos.

MATEUS FAGUNDES, Agencia Estado

11 de março de 2014 | 16h57

O petróleo para abril fechou em queda de US$ 1,09 (1,08%), a US$ 100,03 por barril. Ontem, o mesmo contrato havia apresentado um recuo de quase 1,5% como reflexo dos dados ruins da economia da China.

"A saúde da economia da China é a chave para o mercado de petróleo e para as perspectivas de preços", escreveram analistas da Kilduff Report. Segundo a nota, a queda de 18% nas exportações chinesas em fevereiro, anunciada no final de semana, foi "inesperada e vem aumentar os temores em relação ao sistema bancário da China e à sua indústria de mercado monetário."

Os investidores também apostam em um aumento dos estoques do petróleo nos Estados Unidos na última semana. Hoje, será divulgada uma leitura prévia da American Petroleum Institute (API, uma associação de refinarias). Amanhã, é a vez do dado oficial do Departamento de Energia dos EUA. Os dados dos estoques podem ser o motor para que os preços "caíam do atual patamar de US$ 100", disse Tariq Zahir, analista da Tyche Capital Advisors.

Influenciaram também os preços dos contratos da commodity hoje a revisão das estimativas para o preço do petróleo doméstico em 2014 pelo Departamento de Energia.

Segundo o relatório, referente ao mês de março, o preço do petróleo nos EUA deve ficar em torno de US$ 95 por barril em 2014 e US$ 90 por barril em 2015. A previsão para este ano é US$ 2 maior do que estava projetado no estudo de fevereiro, mas US$ 3 inferior à média de US$ 98 por barril no ano passado. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.