Petróleo fecha praticamente estável a US$ 97,44 o barril

 Operadores seguem receosos enquanto Congresso tenta votar elevação da dívida dos EUA

Álvaro Campos, da Agência Estado,

28 de julho de 2011 | 17h23

Os preços do petróleo fecharam praticamente estáveis, com os investidores aguardando uma solução para o impasse sobre a elevação do limite de endividamento dos Estados Unidos (EUA). O contrato de petróleo para setembro negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) ganhou US$ 0,04 (0,04%), a US$ 97,44 o barril. Na plataforma ICE, o petróleo do tipo Brent perdeu US$ 0,07 (0,06%), fechando a US$ 117,36 o barril.

O petróleo oscilou entre os campos positivo e negativo durante boa parte da sessão. Uma queda surpreendente nos pedidos de auxílio-desemprego nos EUA e interrupções na produção de petróleo no Golfo do México, devido à tempestade tropical Don, impulsionaram os preços. Mas os operadores de mercado estão receosos em fazer novas apostas enquanto o Congresso tenta votar a elevação do teto da dívida norte-americana. "Nós estamos em compasso de espera", disse Tom Bentz, diretor do BNP Paribas Commodity Futures.

Hoje, a liderança do Partido Republicano na Câmara pediu aos legisladores que apoiem o plano do presidente da Casa, John Boehner, embora a proposta tenha poucas chances de ser aprovada no Senado, controlado pelos democratas.

Os mercados de ações também operaram perto da estabilidade hoje. Uma queda nas bolsas no início da semana ajudou a fazer com que o petróleo recuasse da casa dos US$ 100, registrada na terça-feira. Os preços, no entanto, têm se mostrado resistentes, com operadores de olho na situação no Golfo do México.

A tempestade Don, que se dirige para o sul da costa do Texas,nos EUA, fez com que três grandes petroleiras retirassem o pessoal não essencial das plataformas offshore no Golfo. Hoje, a Exxon Mobil informou que interrompeu a produção de quase 8 mil barris por dia em razão da tempestade, que, segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA, pode ganhar força nas próximas 36 horas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoimpasseNymex

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.