Petróleo fecha quase estável a US$ 83,70 na Nymex

O preço do petróleo fechou praticamente estável nas negociações no mercado futuro, após se recuperar de uma queda inicial causada pelos temores com a dívida da Grécia. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), o contrato futuro com vencimento em junho terminou em alta de US$ 0,02, ou 0,02%, a US$ 83,70 o barril. No mercado eletrônico ICE, o barril do Brent para junho fechou em queda de US$ 0,03, em US$ 85,67.

Regina Cardeal, da, Agência Estado

22 de abril de 2010 | 17h15

Os contratos de junho na Nymex chegaram a cair a US$ 81,73 em meio ao movimento geral de saída dos investidores dos mercados de maior risco depois que a agência de estatísticas da União Europeia estimou o déficit do orçamento de 2009 da Grécia acima do dado divulgado pelo próprio país.

O petróleo é um mercado popular com investidores que querem se beneficiar da recuperação econômica global. Mas a crise financeira da Grécia tem abalado a confiança no crescimento europeu, particularmente se o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a União Europeia forem forçados a implementar a ajuda. O euro atingiu seu ponto mais baixo em relação ao dólar em quase um ano, chegando a cair a US$ 1,3257.

Mas os caçadores de pechinchas rapidamente entraram em ação e o mercado de petróleo se recuperou. Os contratos continuam a ser negociados com um grande desconto sobre os meses mais futuros, indicando que os participantes estão mais confiantes em que a recuperação econômica vá impulsionar a demanda por petróleo mais à frente no ano e não nos próximos dois meses.

A oferta do produto tem crescido nos EUA, maior consumidor de petróleo do mundo e onde os estoques semanais estão sendo observados de perto no mercado. Na semana passada, os estoques de petróleo no centro-oeste dos EUA, onde os barris físicos relacionados aos contratos futuros da Nymex são entregues, subiram para a máxima em pelo menos 20 anos, informou ontem o Departamento de Energia. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoNymexbarrilGrécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.