Petróleo opera com preço sem direção única

Tensões no Egito e na Líbia devem levar os preços dos contratos para o território positivo

Agencia Estado

19 de agosto de 2013 | 07h46

Os preços dos contratos futuros de petróleo bruto operam em direções divergentes nesta segunda-feira, uma vez que traders estão tomando fôlego depois de fortes ganhos nos mercados de petróleo na semana passada. Às 6h55 (de Brasília), o contrato do brent para outubro tinha alta de 0,12% na plataforma ICE, a US$ 110,53 por barril, enquanto na Nymex, o petróleo para setembro caia 0,23%, a US$ 107,21 por barril. Os preço do contrato do brent para outubro chegaram a operar em território negativo nesta segunda-feira, mas voltaram a avançar. As tensões no Egito e na Líbia podem manter os preços altos no curto prazo, em meio a preocupação de traders sobre a possibilidade de interrupção de oferta, disseram analistas.

"Os violentos confrontos no Egito que continuaram no fim de semana também tendem a dar apoio ao preço do petróleo com o começo de uma nova semana de negociações", disse o Commerzbank em uma nota a clientes publicada na segunda-feira.

Ainda que os protestos não devam interromper os embarques de petróleo através do Canal de Suez, o risco que a agitação apresenta justifica um prêmio aos preços do petróleo, disse o Commerzbank.

O Goldman Sachs disse que os problemas devem resultar em um equilíbrio mais apertado do mercado de petróleo, dando apoio ao brent em torno de US$ 115 por barril no curto prazo. O contrato deve atingir o pico em setembro a outubro visto a diminuição das ofertas da Líbia e do Iraque, disse o Goldman.

Nesta segunda-feira, traders devem analisar os dados semanais da Intercontinental Exchange Inc. sobre posições compradas líquidas no mercado de brent para buscar sinais sobre o sentimento do mercado entre os gestores.

Ainda nesta semana, eles também deverão analisar os dados de estoques semanais de petróleo do DOE, dos EUA, e a ata da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto, do Federal Reserve, que devem ser publicados na quarta-feira. Os dados sobre a indústria da China, também nesta semana, podem fornecer informações sobre o ritmo de crescimento econômico da segunda maior economia do mundo. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.