Petróleo opera em alta à espera de fala de Bernanke

Os contratos futuros do petróleo operam em alta nesta sexta-feira, com os investidores se mostrando mais esperançosos de que o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, dará hoje uma sinalização de novas medidas de estímulo nos Estados Unidos.

SERGIO CALDAS, Agencia Estado

31 de agosto de 2012 | 08h42

Desde o começo da semana, os mercados operam na expectativa da fala de Bernanke, que fará discurso a partir das 11h (horário de Brasília) durante o simpósio anual promovido pelo Fed de Kansas City em Jackson Hole (Wyoming). Foi neste mesmo evento que, em 2010, o chefe do BC norte-americano preparou o terreno para a segunda rodada de relaxamento quantitativo com o objetivo de sustentar a economia dos EUA. A esperança é que o discurso desta sexta-feira seja o prenúncio de uma terceira rodada de estímulos.

Muitos traders, no entanto, estão à margem dos negócios antes de Bernanke começar a falar, segundo analistas. "Existe uma clara postura de ''esperar para ver'' nos mercados de petróleo esta manhã", disse Ole Hansen, chefe de estratégia para commodities do Saxo Bank. "O mercado está tranquilo e provavelmente continuará assim até que tenhamos algo sólido para fazermos novos negócios."

Por outro lado, a eventual falta de sinais de relaxamento pode levar o Brent a cair no curto prazo e provocar uma venda de contratos em Nova York, de acordo com Andrey Kryuchenkov, da VTB Capital.

Os investidores também vão acompanhar nesta manhã novos indicadores dos EUA, que incluem o índice de atividade industrial regional dos gerentes de compras de Chicago e o índice de sentimento do consumidor da Universidade de Michigan. Ambos os dados serão divulgados minutos antes do início do discurso de Bernanke.

Às 8h25 (horário de Brasília), o Brent para outubro subia 0,61%, para US$ 113,25 o barril, na plataforma ICE, em Londres. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato para outubro avançava 0,59%, para US$ 95,18 o barril. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoBernanke

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.