Petróleo opera em baixa após dados de estoques

Os contratos futuros de petróleo bruto operam em baixa nesta quinta-feira, 31, uma vez que dados de estoques mostraram que há abundância de oferta no mercado. O Departamento de Energia norte-americano (DoE, na sigla em inglês) informou que os estoques de petróleo bruto nos EUA subiram mais do que o esperado na semana até 25 de outubro, em 4,1 milhões de barris, para 383,9 milhões de barris. A previsão era uma alta de 2,2 milhões de barris.

Agencia Estado

31 de outubro de 2013 | 10h41

Os contratos de petróleo bruto dos EUA estão se desatrelando cada vez mais do petróleo brent, a atual referência mundial, disse o analista Olivier Jakob, da Petromatrix. A diferença entre o brent e o West Texas Intermediate (WTI) encerrou em US$ 13,09 na quarta-feira, a mais ampla em um fechamento desde o começo de abril.

O WTI não é o único indicador de uma mudança entre os preços nos EUA e na Europa, disse Jakob. "O LLS Light Louisiana Sweet crude está se desconectando do brent. Isso realmente é um movimento recente".

Já como os EUA têm injetado quantidades crescentes de petróleo por causa de suas descobertas de xisto, "estamos começando a entrar numa nova fase onde ofertas dos EUA começarão a ter um impacto maior sobre o resto da Bacia do Atlântico", incluindo a África Ocidental e a Europa, disse o analista.

No final da reunião de política monetária de dois dias do Federal Reserve na quarta-feira, não ficou claro quando o Fed começará a reduzir seu programa de dinheiro fácil. Em uma nota a clientes, a corretora PVM afirmou que a decisão do Fed de não reduzir o seu programa de compra de títulos pode ser interpretada de várias maneiras diferentes pelos participantes do mercado.

Às 9h55 (de Brasília), o brent para dezembro caia 0,57%, a US$ 109,34 por barril, na plataforma eletrônica ICE, em Londres, enquanto na Nymex, o contrato com vencimento para o mesmo mês recuava 0,34%, a US$ 96,43 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoestoques

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.