Petróleo opera em direções divergentes à espera de dados

Os contratos futuros de petróleo operam em direções divergentes na manhã desta terça-feira, 04, enquanto os investidores ponderam a perspectiva de crescimento global e aguardam os últimos números de estoques dos EUA. Na sessão anterior, os preços do petróleo recuaram após dados fracos de manufatura da China e dos EUA, e em meio a preocupações com a fraqueza dos mercados emergentes.

Agencia Estado

04 de fevereiro de 2014 | 09h13

Hoje à noite, às 19h30 (de Brasília), os participantes do mercado vão acompanhar a última pesquisa sobre estoques de petróleo dos EUA, que será divulgada pelo American Petroleum Institute (API). A expectativa é que a recente entrada em operação do trecho sul do oleoduto Keystone XL tenha ajudado a reduzir o excesso de oferta em Cushing (Oklahoma), o ponto de entrega para os futuros da Nymex.

Segundo o Morgan Stanley, os novos oleodutos projetados para resolver problemas de gargalos em Cushing vão provocar uma reação em cadeia para o petróleo negociado em Nova York. "Há muito tempo nós temos argumentado que os novos oleodutos que sairão de Cushing vão deixar o local com uma deficiência estrutural de petróleo bruto," disseram analistas do banco.

Os fundamentos do petróleo estão mistos, com a abertura do trecho do oleoduto, no último dia 22, dando sustentação ao contrato na Nymex, e a recuperação parcial da produção na Líbia pressionando o brent, comentou Tim Evans, estrategista para mercados de energia do Citi Futures.

Às 8h47 (de Brasília), o contrato para março na Nymex subia 0,12%, a US$ 96,55 por barril, enquanto o brent para março recuava 0,41%, a US$ 106,61 por barril, na plataforma eletrônica ICE, em Londres. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.