Petróleo opera em queda atento às exportações líbias

Os contratos futuros de petróleo operam em queda moderada nesta segunda-feira, diante de novas informações sobre a retomada de exportações no maior campo da commodity na Líbia. Contudo, a tendência de queda é limitada por outros fatores, como as tensões no Leste Europeu.

LUCAS HIRATA, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES, Agência Estado

21 de julho de 2014 | 08h49

A Líbia afirmou mais cedo que deve fazer o primeiro embarque de petróleo a partir do campo de Sharara ainda nesta segunda-feira, apesar de a produção em geral ter recuado. Além disso, ainda não foi observado um efeito significativo sobre as oferta do Iraque em meio aos confrontos no norte do país.

Por outro lado, as tenções entre Rússia e Ucrânia, que voltaram a agitar os mercados na semana passada devido à queda do voo MH17 na região, limitam a onda de vendas, mas ainda não voltaram a ser um catalisador claro para os preços de petróleo. Segundo analistas do Sucden Research, os preços de petróleo saltaram após o desastre, mas se acomodaram novamente nos dias seguintes.

"No fim de semana, os líderes ocidentais sinalizaram novas sanções contra a Rússia visto que crescentes evidências apontam a responsabilidade para os rebeldes pró-Rússia pela derrubada do avião de passageiros da Malaysia Airlines", escreveu a Sucden.

O Bank of America Merrill Lynch revisou para cima suas previsões para os preços do Brent este ano e para o próximo. O catalisador: "preocupações geopolíticas e rupturas na oferta", que superaram as expectativas. A inflação um pouco maior do que o previsto dos EUA também é um dos fatores, disseram.

O Brent deve variar em média a US$ 109 por barril em 2014, disse o banco, contra uma previsão anterior de US$ 106 por barril. Em 2015, a previsão é de até US$ 108 por barril, de US$ 103 na mesma base de comparação. Para o petróleo bruto dos EUA, o banco vê uma queda abaixo de US$ 100 por barril no segundo semestre de 2014, com oferta alta e refinarias demandando menos à medida que entram em temporada de manutenção.

Às 8h30 (de Brasília), o petróleo brent para setembro registrava perda de 0,33%, a US$ 106,89 por barril. O petróleo para agosto recuava 0,13%, a US$ 103,00 por barril na Nymex.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo@estadaconteudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.