Petróleo opera em queda com demanda baixa

Pesam sobre o recuo a redução da previsão de crescimento global do Banco Mundial para este ano

13 de junho de 2013 | 07h49

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa diante de um mercado bem abastecido e da queda nos mercados financeiros mais amplos. Entre os motivos de pessimismo está a redução da previsão de crescimento global do Banco Mundial para este ano, que foi reduzida para 2,2%, de 2,4% conforme previsto em janeiro.

Segundo analistas do Commerzbank, o enfraquecimento do dólar está limitando as quedas dos preços. Ontem a Agência Internacional de Energia (AIE) reduziu levemente sua "já moderada previsão para a demanda global por petróleo neste ano" e disse que agora espera que a demanda cresça menos de 800 mil barris por dia em 2013.

No entanto, alguns analistas afirmam que uma recuperação dos preços pode estar no horizonte. Mudanças na estrutura do mercado para o brent indicam que demanda e preços mais altos são possíveis, segundo Thina M. Saltvedt, do Nordea Bank. Os contratos do brent para julho - que vence nesta quinta-feira, 13, - e para agosto estão operando com diferença de poucos centavos, o que representa uma mudança em relação aos últimos meses, quando o mês mais próximo tendia a operar com um prêmio.

"Quando você tem preços subindo para um período de um mês, é porque se espera crescimento da demanda", afirmou Saltvedt. "Eu esperaria uma alta nos preços à medida que nos aproximamos da temporada de viagens de carro (nos EUA)", observou a analista, destacando que isso ocorre em um momento no qual em regiões produtoras do Mar do Norte está havendo manutenções.

Enquanto isso, os eventos políticos no Oriente Médio não têm impulsionado muito os preços nas últimas semanas, mas analistas da JBC Energy Markets destacam que "a situação da segurança na Líbia está cada vez mais afetando a produção de petróleo do país". Segundo eles, a produção atual está abaixo de 1 milhão de barris por dia. Isso é "uma preocupante queda de 5,3% em termos anuais no terceiro maior produtor de petróleo da África".

Às 7h32 (de Brasília), o petróleo para julho negociado na Nymex caía 0,35%, para US$ 95,54 por barril, enquanto o brent para julho recuava 0,27% na ICE, para US$ 103,21 por barril, e o brent para agosto - que já é o contrato mais negociado - cedia 0,23%, para US$ 103,32 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoqueda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.