Karen Bleier/AFP
Karen Bleier/AFP

Petróleo opera em queda diante de preocupações com oferta em excesso

Produtores norte-americanos parecem estar recuando em meio à queda de preços, com o total de projetos de perfuração onshore caindo 37 para 1499 na semana passada

AE, Estadão Conteúdo

30 Dezembro 2014 | 08h52

Os contratos futuros de petróleo continuam a tendência de queda nesta terça-feira, diante de preocupações com um crescente excesso de oferta da commodity.

Alimentada pela expansão de produção de óleo de xisto nos Estados Unidos e relutância de outros grandes produtores em reduzir a produção, a onda de vendas não mostra sinais de amenização apesar das notícias de turbulências na Líbia e um aparente recuo nos projetos norte-americanos de exploração.

"Há um monte de sentimento negativo por aí, apesar das feriados", disse Thina M. Saltvedt, analista sênior de petróleo no Nordea Bank, em Oslo. Segundo ela, a queda continuará em 2015 e o Brent pode variar a US$ 55 por barril em média no primeiro trimestre. Um barril custa hoje metade do valor observado há cerca de seis meses.

Produtores norte-americanos de petróleo parecem estar recuando em meio à queda de preços, com o total de projetos de perfuração onshore caindo 37 para 1499 na semana passada, de acordo com a empresa de serviços da indústria petrolífera Baker Hughes. Esta foi a terceira semana consecutiva que a contagem de sondas de perfuração teve queda e uma das maiores desde que os preços de petróleo bruto começaram a perder terreno em junho.

Mas a velocidade com que os cortes de gastos se traduzem em menor produção de petróleo corresponde a vários meses e é provável que seja um processo gradual.

Mais tarde, na terça-feira, o American Petroleum Institute (API, uma associação de refinarias) informará dados de estoques semanais nos EUA. Na quarta-feira, é a vez do Departamento de Energia norte-americano (DoE) publicar seus números.

Às 8h45 (de Brasília), o Brent para fevereiro recuava 0,81%, a US$ 57,42 por barril, na plataforma eletrônica ICE, em Londres, enquanto o petróleo para o mesmo mês na Nymex tinha baixa de 0,65%, a US$ 53,26 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
MundoPetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.