Petróleo opera em queda eà espera de notícias do Fed

Os contratos futuros de petróleo bruto operam em queda nesta terça-feira, com o mercado se preparando para mais notícias sobre o fim do relaxamento quantitativo dos EUA. Além disso, os contratos estão sendo influenciados por participantes que procuram capitalizar sobre os ganhos dos preços na semana passada.

Agencia Estado

20 de agosto de 2013 | 07h37

"Antes da publicação da ata da reunião do Fed na quarta-feira, os agentes do mercado estão claramente realizando lucros enquanto podem", escreveram analistas do Commerzbank em nota a clientes. A ata do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC) deve dar mais clareza sobre quando o programa de estímulo do Fed começará a ser retirado.

Os preços do petróleo avançaram durante a semana passada, com a tensão no Egito e problemas de oferta na Líbia entre os fatores que os impulsionaram.

O Egito é uma região crucial de petróleo, principalmente porque o país controla o Canal de Suez. É através deste canal que grande parte do petróleo do Oriente Médio é transportado para o Mediterrâneo e para outros destinos de exportação, incluindo os EUA.

A Líbia, por sua vez, é um importante produtor que ainda está envolvido em tensões internas. "De acordo com fontes industriais, cerca de metade da produção de petróleo da Líbia ainda está fora de operação", ressaltou o Commerzbank.

A tensão no Oriente Médio deve proporcionar um apoio contínuo para o preço do petróleo porque ameaça a oferta, disseram analistas.

Enquanto isso, os dados divulgados ontem pela IntercontinentalExchange Inc. indicaram que as apostas de que o preço irá subir avançaram para o nível mais alto de todos os tempos.

Às 7h15 (de Brasília), o contrato do brent para outubro tinha queda de 0,53% na plataforma ICE, a US$ 109,32 por barril, enquanto na Nymex, o petróleo para setembro caia 0,57%, a US$ 106,49 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.