Petróleo opera em queda moderada

Os contratos futuros de petróleo operam agora em queda moderada, após uma manhã volátil. O Brent chegou a tocar US$ 71,75 por barril, na mínima do dia, mas entrou em terreno positivo em seguida e atingiu US$ 73,03 por barril, na máxima. Mas a recuperação teve curta duração.

AE, Estadão Conteúdo

02 Dezembro 2014 | 09h17

Às 9h (de Brasília), o Brent para janeiro recuava 0,85%, a US$ 71,92 por barril, na plataforma eletrônica ICE, em Londres. Já na Nymex, o petróleo para o mesmo mês caía 1,09%, a US$ 68,26 por barril.

O "reviravolta radical" em parte da manhã foi, provavelmente, um contramovimento técnico, após a queda no final da semana passada, de acordo com analistas do Commerzbank. Os preços caíram acentuadamente na quinta-feira e na sexta-feira após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) se recusar a cortar a meta de produção.

Os analistas do Commerzbank afirmaram que os preços baixos podem estar afetando as decisões de investimento entre os produtores, tendo em vista que o número aprovações nos EUA de novas plataformas de petróleo de xisto caíram 15% em outubro. Campos de petróleo e gás de xisto nos EUA têm elevado a produção global nos últimos anos, mas alguns analistas disseram que nem todos os projetos podem ser viáveis a preços atuais do petróleo.

Após a turbulência relacionada com a OPEP, os mercados estão começando a se concentrar a atenção nos próximos meses.

A empresa de pesquisa Energy Aspects disse que haverá um excesso de oferta de petróleo bruto no primeiro semestre do próximo ano e que só haverá uma reação limitada de fornecedores, o que significa que os estoques tendem a subir. Isso vai impedir que qualquer recuperação significativa dos preços.

"Mesmo quando o frenesi de venda inicial estiver acabado, o impulso para cima será limitado devido ao aumento dos estoques. Os preços devem se estabelecer em uma nova gama de US$ 70 a US$ 80 por barril" no primeiro semestre do próximo ano, disse a Energy Aspects. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
MundoPetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.