Petróleo opera sem direção atento ao Fed e ao Irã

Os contratos futuros de petróleo operam em direções divergentes nesta manhã, com os investidores à espera de novidades sobre a política monetária dos EUA e as negociações sobre o programa nuclear do Irã.

Agencia Estado

20 de novembro de 2013 | 09h53

O brent, particularmente, foi pressionado para baixo por notícias de que a Líbia voltou a exportar petróleo a partir de um porto no oeste do país. Nas última semanas, o brent vinha encontrando sustentação nas manifestações que prejudicaram a oferta líbia.

Os participantes do mercado, no entanto, estão mais focados na publicação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), prevista para as 17h (de Brasília) e na retomada das conversas sobre o programa nuclear iraniano.

Um eventual acordo entre Teerã e as potências mundiais pode levar o Irã a retomar as exportações de petróleo, o que tenderia a pressionar os preços da commodity. Já a ata do Fed pode trazer indicações de quando o BC dos EUA pretende começar a retirar sua política de estímulos.

Outro fator de peso para o petróleo hoje é o relatório semanal de estoques do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) norte-americano. Às 13h (de Brasília), o DoE divulga os dados de estoques de petróleo bruto dos EUA referentes à semana passada. A previsão é de que houve alta de 700 mil barris nos estoques.

Ontem, o American Petroleum Institute (API), que é uma entidade privada, informou que os estoques norte-americanos subiram mais de 500 mil barris na semana até 15 de novembro, avançando pela oitava semana consecutiva.

Às 9h40 (de Brasília), o brent para janeiro caía 0,29%, a US$ 106,61 por barril, na plataforma eletrônica ICE, em Londres. Já na Nymex, o contrato do petróleo para dezembro subia 0,11%, a US$ 93,44 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.