Petróleo opera sem direção definida à espera de fala de Bernanke

Investidores esperam que discurso seja o prenúncio de uma 3º rodada de relaxamento quantitativo

Sergio Caldas, da Agência Estado,

30 de agosto de 2012 | 09h09

Os contratos futuros do petróleo operam sem direção definida nesta quinta-feira, enquanto os investidores aguardam o discurso do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, no simpósio anual do Fed em Jackson Hole (Wyoming).

Nesta sexta-feira, Bernanke fará discurso durante o evento, que começa nesta quinta-feira. Foi no mesmo simpósio que, em 2010, o chefe do BC norte-americano preparou o terreno para a segunda rodada de estímulos com o objetivo de sustentar a economia dos EUA. Os investidores acompanharão o discurso com a esperança de que seja o prenúncio de uma terceira rodada de relaxamento quantitativo.

"Parece que os traders acham melhor aguardar os sinais de fumaça dos dirigentes de bancos centrais, que parecem ser iminentes", disse a PVM em comunicado.

Ações de estímulo nos EUA, maior consumidor de petróleo do mundo, têm o potencial de elevar a demanda pela commodity.

Enquanto isso, a passagem da tempestade tropical Isaac aparentemente causou poucos estragos às instalações de petróleo e gás natural do Golfo do México, cuja produção deverá voltar ao normal no fim da semana, segundo Dennis Gartman, da Gartman Letter.

Para o Commerzbank, os futuros do petróleo não deverão oscilar muito antes da fala de Bernanke, após os danos limitados do Isaac e os últimos dados de estoques comerciais dos EUA, que apresentaram uma forte alta na semana passada.

Já o Barclays prevê que o preço do Brent atingirá uma média de US$ 125,00 o barril em 2013, visto que a oferta de petróleo deverá sofrer uma significativa diminuição neste trimestre, com uma alta na demanda de 2 milhões de barris por dia e quedas na produção dos membros e não membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Além disso, a capacidade sobressalente é mínima, há tensões geopolíticas em várias regiões e a eventual liberação das reservas estratégicas dos EUA traria apenas um alívio pequeno e temporário, afirmou o banco britânico em comunicado.

Às 8h58 (de Brasília), o Brent para outubro subia 0,74%, para US$ 113,28 o barril, na plataforma ICE, em Londres. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato para outubro recuava 0,05%, para US$ 95,44 o barril. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
mercadopetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.