Petróleo para dezembro cai após dados de alta de estoque

Os contratos futuros de petróleo negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) fecharam em leve queda nesta quinta-feira, 14, pressionados pela oitava semana consecutiva de aumento nos estoques da commodity.

EDGAR MACIEL, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES, Agencia Estado

14 de novembro de 2013 | 18h49

O contrato de petróleo para dezembro fechou em baixa de US$0,12 (0,1%), a US$ 93,76 por barril na Nymex.

O Departamento de Energia dos Estados Unidos (DoE, na sigla em inglês) divulgou nesta quinta-feira, 14, que os estoques de petróleo bruto subiram 2,64 milhões de barris na semana encerrada em 8 de novembro, para 388,088 milhões de barris. Os números vieram acima da previsão dos analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que era de alta de 1 milhão de barris. Na noite de quarta-feira, 13, o American Petroleum Institute (API, que representa as refinarias) também reportou os números de estoques, com crescimento de 599 mil barris na semana passada.

Já o Brent foi na direção contrária e o contrato para dezembro, que expirou nesta quinta-feira, 14, fechou em alta de US$ 1,42 (1,33%), a US$ 108,54 por barril na ICE. O contrato de janeiro, que se tornou o mais ativo, encerrou com ganho de US$ 1,27 (1,19%), a US$ 108,16. O descolamento de preços entre Nova York e Londres já chega a US$ 14,78. Durante a sessão desta quinta-feira, 14, atingiu US$ 15, o maior nível desde março de 2013.

O Brent manteve sua trajetória de alta em meio a preocupações com o aumento da violência na Líbia, que viu sua oferta de petróleo ser comprometida no último mês pelos frequentes protestos que afetam os terminais de exportação do país.

Alguns analistas, no entanto, dizem que a atual tendência de alta do Brent não tem fôlego para continuar. "A dinâmica do mercado no curto prazo parece divergir do sentimento negativo no longo prazo", comentou a VTB Capital, em nota a clientes.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.