Petróleo perde força após Fed decidir manter estímulos

O petróleo brent caminha para encerrar a segunda semana consecutiva em queda, apesar da leve alta desta manhã, depois de o impulso recebido pela decisão do Federal Reserve de manter os estímulos à economia dos EUA perder força.

Agencia Estado

20 de setembro de 2013 | 08h05

Tanto o brent quanto o contrato negociado na Nymex subiram fortemente na quarta-feira, após o Fed anunciar que continuará injetando dinheiro na economia norte-americana, mas desde aquele dia boa parte dos ganhos foi devolvida à medida que o dólar recuperou força e operadores e investidores realizaram lucros.

A retomada da produção na Líbia e sinais de conciliação com relação à Síria e ao Irã contribuíram para o recuo dos preços. O presidente do Irã, Hasan Rouhani, fará um discurso na Assembleia das Nações Unidas na próxima semana, em Nova York, depois de uma campanha pública coordenada que aponta para um retorno do diálogo internacional sobre o programa nuclear do país.

O evento parece promissor, segundo Andrey Kryuchenkov, analista do VTB Capital. A economia está influenciando a política externa de Teerã, tendo em vista a significativa redução das receitas geradas pela exportação de petróleo do país. Mas, de todo modo, "isso não significa que devemos ver uma suspensão imediata das sanções e um retorno das exportações iranianas para níveis vistos no início de 2011", observou.

Enquanto isso na Síria, onde o risco de a violência se espalhar para o restante do Oriente Médio tem ajudado a sustentar os preços do petróleo, há relatos de que o governo teria pedido um cessar-fogo. O prazo final para o regime de Bashar Assad revelar detalhes sobre seu arsenal de armas químicas termina neste fim de semana.

Diante da redução das preocupações com a oferta, a atenção agora está se voltando para o superávit de petróleo, destacaram analistas do Commerzbank. Junto com a retomada da produção na Líbia, onde 400 mil barris por dia voltaram para os mercados, as exportações da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), especialmente da Arábia Saudita, estão crescendo.

Às 7h52 (de Brasília), o brent para novembro subia 0,42% na ICE, para US$ 109,22 por barril, aproximadamente 7% abaixo do pico atingido em 28 de agosto, no auge da crise síria. Na Nymex, o contrato para outubro, que vence hoje, caía 0,37%, para US$ 106,00 por barril, enquanto o contrato para novembro, que já é o mais negociado, recuava 0,09%, para US$ 105,77 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.