Petróleo reage à ata do Fed e fecha em queda em NY

Os preços do petróleo fecharam em baixa em Nova York, revertendo a alta anterior, depois da divulgação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), na qual os participantes disseram que planejam reduzir o estímulo à economia "nos próximos meses".

AE, Agencia Estado

20 de novembro de 2013 | 19h13

Antes da divulgação da ata do Fed, os preços estavam em alta, em reação ao informe semanal do Departamento de Energia (DoE) sobre o nível dos estoques dos EUA. De acordo com o DoE, os estoques de petróleo bruto tiveram um crescimento de 375 mil barris na semana passada; analistas previam um crescimento maior, de 700 mil barris. Embora o crescimento tenha ficado abaixo das previsões, nas últimas nove semanas os estoques tiveram um crescimento acumulado de 32,8 milhões de barris, para o nível mais alto desde janeiro.

Os preços do petróleo Brent, produzido no Mar do Norte e mais consumido na Europa, subiram em reação ao noticiário sobre a retomada das conversações em Genebra sobre o programa nuclear do Irã. A França, que recentemente assumiu o papel de participante mais intransigente nas negociações, voltou a fazer críticas ao governo iraniano. Para os investidores, a maior preocupação é a possibilidade de um acordo que leve à suspensão das sanções impostas pelos EUA e seus aliados ao Irã; neste caso, mais 1 milhão de barris por dia voltariam ao mercado.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos do petróleo bruto para dezembro, que venceram após o fechamento, encerraram a US$ 93,33 por barril, em baixa de US$ 0,01 (0,01%). Os contratos para janeiro fecharam a US$ 93,85 por barril, em baixa de US$ 0,04 (0,04%). Na Intercontinental Exchange (ICE), os contratos do petróleo Brent para janeiro fecharam a US$ 108,06 por barril, em alta de US$ 1,14 (1,07%). Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.