Petróleo recua após declaração de presidente da Opep

Incapazes de romper os US$ 68 o barril, os futuros de petróleo fecharam em baixa na New York Mercantile Exchange (Nymex) nesta sexta-feira, com a diminuição das preocupações com a oferta e a dúvida crescente de que os preços poderiam sustentar a máxima em nove semanas atingida ontem. Comentários do presidente da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e ministro de Petróleo da Nigéria, Edmund Daukoru, contribuíram para a queda dos contratos. Falando em conferência em Paris, Daukoru sugeriu que a Opep poderá não reduzir a produção este ano e que o fluxo de petróleo da Nigéria deve voltar ao normal dentro de um mês. Embora essas declarações tenham pesado sobre o complexo de petróleo durante todo o restante do dia, muitos operadores acreditam que a queda de hoje tenha sido apenas um intervalo na trajetória de alta. Na Nymex, o contrato de petróleo bruto para maio caiu US$ 0,55 (0,81%), fechando em US$ 67,39 o barril. A mínima foi em US$ 66,65 e a máxima em US$ 67,85. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para maio fecharam em US$ 67,29 o barril, queda de US$ 0,55. A mínima foi de US$ 66,62 e a máxima de US$ 67,70. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.