Petróleo recua com aumento dos estoques nos EUA

DOE informou que os estoques em Cushing atingiram 34,1 milhões de barris na semana encerrada em 16 de abril

Danielle Chaves, da Agência Estado,

22 de abril de 2010 | 10h53

Os contratos futuros de petróleo operam em queda, conforme aumentam os estoques na cidade norte-americana de Cushing - ponto de entrega física dos barris negociados na Nymex. Às 10h50 (de Brasília), o petróleo para junho negociado na Nymex eletrônica recuava 2,00%, para US$ 82,01 por barril. Na plataforma ICE, o petróleo para junho caía 1,53%, para US$ 84,39 por barril.

 

Ontem o Departamento de Energia dos EUA (DOE) informou que os estoques em Cushing atingiram 34,1 milhões de barris na semana encerrada em 16 de abril, menos de 1 milhão de barris abaixo do nível recorde. Os estoques no Meio Oeste dos EUA estão nos maiores níveis dos últimos 20 anos e as refinarias estão produzindo combustível suficiente para elevar ainda mais os estoques de gasolina e destilados.

 

O mercado de petróleo está se preparando para um superávit prolongado em Cushing, mas muitos operadores ainda esperam que a oferta diminua no fim deste ano, conforme a recuperação econômica der impulso à demanda.

 

Ontem o DOE informou que os estoques de petróleo nos EUA subiram 1,9 milhão de barris na semana passada, contrariando o declínio de 200 mil barris esperado pelos analistas. Os estoques de gasolina aumentaram 3,6 milhões, à medida que a demanda por produtos refinados caiu para o menor nível desde dezembro. Os estoques de destilados, que incluem óleo de calefação e diesel, cresceram 2,1 milhões de barris. Analistas previam aumento de 300 mil barris de gasolina e de 900 mil barris de destilados.

 

Os preços do petróleo têm conseguido permanecer acima de US$ 80 por barril em boa parte por causa da forte demanda na China, que excedeu as expectativas para crescimento econômico nos últimos 18 meses, apesar de a demanda nos EUA estar fraca. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.