Petróleo recua com previsão de crescimento de estoques

Os contratos futuros de petróleo fecharam em leve queda na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) e na Bolsa Intercontinental (ICE, de Londres). Operadores disseram que houve pouca atividade no mercado. Os futuros de petróleo abriram em alta, depois de o presidente da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Edmund Daukoru, dizer que está mantendo contatos com os ministros do Petróleo dos 11 países da organização, com quem tem discutido as implicações da queda de 20% nos preços ocorrida nas últimas seis semanas. O recuo nos preços aconteceu em meio a previsões de crescimento nos estoques norte-americanos de derivados e em reação a uma reportagem do Washington Times, segundo a qual o Irã e a União Européia estão próximos de um acordo sobre a questão nuclear. "O sentimento é de que a Opep está desconfortável com a queda nos preços", comentou o analista Tom Bentz, da BNP Paribas Futures. Para ele, a incapacidade do petróleo de fechar em níveis mais altos pode reduzir as previsões de que as recentes quedas de preços seriam acompanhadas por uma correção. "O mercado está decidindo se quer que os preços encontrem um piso em torno de US$ 60 por barril. Os operadores acreditam que existe uma possibilidade decente de que a Opep decida defender os US$ 60 por barril, mas, depois das últimas quedas, eu não acho que exista confiança suficiente para puxar os preços muito mais para cima", observou Peter Donovan, da Vantage Trading. Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para novembro fecharam a US$ 61,01 por barril, em queda de US$ 0,44, ou 0,72%. A mínima foi em US$ 60,60 e a máxima em US$ 62,00. Na ICE, os contratos do petróleo Brent para novembro fecharam a US$ 60,12 por barril, em queda de US$ 0,68, ou 1,12%, com mínima em US$ 59,70 e máxima em US$ 61,24. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

26 de setembro de 2006 | 17h13

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.