Petróleo recua da cotação máxima, mas termina em alta

Os futuros do petróleo terminaram praticamente inalterados em Londres e em leve alta em Nova York, após atingirem os mais altos preços em oito semanas, se aproximando de US$ 62,00 o barril durante a sessão. O rali inicial foi provocado pela contínua alta dos futuros de gasolina, pela queda nos estoques divulgada ontem nos EUA e pelos recentes problemas em refinarias e oleodutos no país. Mas os preços cederam no fim da sessão, depois que a operadora de oleoduto TEPPCO Partners LP informou que reiniciou as atividades na linha que liga a Costa do Golfo dos EUA a Nova York, que haviam sido interrompidas no início da semana. Isto levou a uma onda de vendas nos futuros da gasolina RBOB (reformulated blendstock for oxygen blending). O contrato de abril do petróleo na Bolsa Mercantil de Nova York subiu US$ 0,19, ou 0,31%, para US$ 61,14, após bater em US$ 61,80, o nível mais alto desde 26 de dezembro. Na ICE londrina, o contrato para abril do Brent subiu US$ 0,04, ou 0,07%, para US$ 60,66. A gasolina RBOB subiu 22 pontos para US$ 1,7570 o galão. O óleo para calefação, contratos de março, liderou o avanço do complexo, com um salto de 2,02 centavos de dólar, para US$ 1,7452 o galão. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.