Petróleo recua para US$ 64, após atingir US$ 68 à noite

Os preços dos contratos futuros de petróleo seguem em alta nesta manhã, mas sem repetir o nervosismo registrado ontem à noite, em reação aos rumores sobre um confronto militar no Golfo Pérsico envolvendo o Irã. Às 7h50, o contrato para maio subia 1,89%, para US$ 64,12 por barril, no sistema eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). Ontem, no after-hours, o contrato chegou a disparar 8%, para US$ 68,09 por barril, em questão de minutos, com os rumores sobre o Irã desencadeando compras de pânico. "Nós não teríamos observado essa reação a um rumor se não estivéssemos em um mercado 'bullish' - de tendência da alta", observou o analista da Cameron Hanover, Peter Beutel. Na ICE Futures Exchange, em Londres, o petróleo Brent para maio é negociado em alta de 1,67%, para US$ 65,68 por barril, após ter atingido US$ 66,13 por barril, mais cedo. A origem dos rumores sobre o Irã não pôde ser determinada, mas vários participantes do mercado disseram que ouviram boatos de um ataque iraniano contra um navio dos EUA no Golfo Pérsico. A Marinha dos EUA e a Casa Branca disseram que nada indicava qualquer incidente ocorrendo na região com relação ao Irã. "Para um movimento desta magnitude, algo deve ter ocorrido no Golfo Pérsico", disse, ontem, o analista da IAF Advisors, Kyle Cooper,em Houston. "Este é certamente o cenário mais provável", acrescentou. O secretário da Defesa dos EUA, Robert Gates, afirmou, ontem, que o governo dos EUA está aberto a trocas de nível elevado com o Irã e pediu uma reunião, ainda este mês, com autoridades dos EUA, Irã e Síria, em Bagdá, segundo informa a edição de hoje do jornal "The Washington Post". A BBC, por sua vez, informou que o governo do Reino Unido está preparando a divulgação de evidências fotográficas que respaldem a afirmação de que os 15 integrantes da Marinha britânica capturados pelo Irã estavam em águas iraquianas. Hoje, forças militares britânicas informaram que a embarcação britânica estava 1,7 milha náutica dentro das águas territoriais do Iraque quando seus tripulantes foram presos pelo Irã. Ontem, autoridades do Irã declararam uma posição diferente para a fragata, de duas milhas leste, o que significaria que a tripulação estava dentro de águas iranianas. O jornal "The Mirror", citando fontes do Irã, informou que o Irã está se preparando para mostrar os membros da fragata britânica na TV. Além das tensões em torno do Irã, o mercado fará hoje seu ajuste para os relatórios sobre estoques de petróleo nos EUA que o Departamento de Energia (DoE) e o American Petroleum Institute (API, do setor privado) divulgam às 11h30 (de Brasília). O principal interesse do mercado será nos estoques de gasolina. Para esses estoques, espera-se um declínio de 1,8 milhão de barris, enquanto o prognóstico é de queda de 800 mil barris nos estoques de destilados - que inclui diesel e óleo para aquecimento. A mediana das expectativas de 10 economistas entrevistados pela Dow Jones é de um aumento de 1,1 milhão de barris nos estoques de petróleo bruto na semana passada. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.