Petróleo retoma alta com Irã pedindo paciência

Os comentários do principal negociador do Irã para assuntos nucleares, Ali Larijani, sobre a reunião com representantes da União Européia, esta manhã, dão margem para a retomada de compras de futuros de petróleo, após uma seqüência de dois dias em queda. Larijani afirmou que a negociação sobre o programa de enriquecimento de urânio pelo país será um processo prolongado e alertou a comunidade internacional para que tenha paciência. Os comentários foram feitos após uma conversa com o chefe de Assuntos Internacionais da União Européia, Javier Solana, e, aparentemente, se chocaram com as esperanças de ruptura das linhas inimigas antes do encontro dos ministros de Relações Exteriores das seis potências que elaboraram o projeto de incentivos para o governo de Teerã. "Nós discutimos uma gama de assuntos importantes ao mesmo temo e agora serão feitas consultas aos dois lados. Nós manteremos contatos para vermos como proceder", disse Larijani. "Nós estamos em um processo longo, precisamos ser pacientes", declarou o representante iraniano. Solana, por sua vez, evitou fazer comentários sobre os desdobramentos do encontro, que durou cerca de quatro horas. "Vamos analisar e veremos como proceder", disse. Nenhum dos dois lados deu sinais sobre se o Irã estaria disposto a aceitar o pacote de incentivos proposto no mês passado. Autoridades iranianas têm afirmado que precisavam de esclarecimentos sobre o pacote antes de se posicionarem e darem uma resposta formal. Solana disse que fará um resumo aos ministros de Relações Estrangeiras das seis potências que elaboraram o pacote - EUA, Rússia, China, França, Alemanha e Reino Unido - em encontro a ser realizado, quarta-feira, em Paris. Por volta das 10 horas, o contrato futuro do petróleo bruto com vencimento para agosto subia 0,53%, para US$ 74,01 por barril, na Nymex eletrônica, em Nova York. O contrato do tipo Brent também para agosto avançava 0,77%, a US$ 73,45 por barril, na ICE Futures Exchange, em Londres. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.