Petróleo retoma queda com dúvidas sobre Opep

Os contratos futuros de petróleo apagaram os ganhos iniciais e voltaram a cair abaixo de US$ 54,00 por barril em Nova York, depois que uma empresa britânica, que acompanha o fluxo de navios petroleiros, informou que espera um aumento de 1,4% das exportações da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em janeiro. Esse informe se somou às recentes pesquisas que indicaram um aumento da produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em dezembro e todas essas informações sugerem que o cartel não está sendo capaz de cumprir o compromisso de reduzir a oferta em 1,2 milhão de barris/dia a partir de novembro, sem mencionar a promessa de um corte adicional de 500 mil barris a partir de 1º de fevereiro. Os futuros de petróleo, que acumulam uma queda de 14% desde o Natal, pararam de subir e retomaram a tendência negativa dos dias anteriores. "O mercado ainda está lutando para manter um movimento de alta e qualquer notícia bearish (de baixa) pode nos levar de volta para baixo", disse o analista do BNP Paribas em Nova York, Tom Bentz. Às 15h36 (de Brasília), no pregão viva-voz da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de petróleo para fevereiro estavam a US$ 53,65 por barril, queda 0,68%. No sistema eletrônico da Globex, os contratos de petróleo WTI para fevereiro chegar a registrar uma mínima intraday (registrada durante o dia) de US$ 52,94 por barril. No mesmo horário em Londres, na ICE Futures, os contratos de petróleo Brent recuavam 0,93% a US$ 53,20 por barril. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.