Petróleo se aproxima de US$ 60 com previsão de frio

Os contratos futuros de petróleo retomam a tentativa de se aproximar dos US$ 60,00 por barril, em meio a previsões de que as temperaturas continuarão baixas nos EUA. Segundo informações da CNN, a temperatura deve oscilar entre 6º C e 9º C negativos hoje em Nova York e entre 12º C e 16º C negativos em Chicago. As temperaturas devem seguir negativas nos próximos dias. A Weather.com, uma empresa privada de previsões, previu que as temperaturas baixas e a ocorrência de neve devem continuar dominando o noticiário desta semana na região nordeste dos EUA. A região é a maior consumidora de óleo de calefação do mundo. Mais cedo, durante a sessão na Ásia, os ganhos do petróleo foram limitados por realizações de lucro, em ajuste atribuído a preparativos para a divulgação, amanhã, dos estoques do produto e derivados na semana passada nos EUA. A previsão para os estoques de derivativos -que englobam óleo de calefação e diesel - é de queda de 3 milhões de barris na semana encerrada em 2 de fevereiro, segundo a mediana das estimativas de 10 analistas consultados pela Dow Jones. O prognóstico para o petróleo bruto converge para aumento de 950 mil barris, enquanto se projeta crescimento de 1,35 milhão de barris para os estoques da gasolina. Às 9h25, o contrato para março subia 1,72%, a US$ 59,73 por barril, no pregão eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). Ontem, o contrato fechou em queda de 0,47%, a US$ 58,74 por barril, revertendo o movimento de alta da manhã, com os operadores convencidos de que será difícil superar os US$ 60 por barril apenas com informações sobre temperaturas frias nos EUA e no Hemisfério Norte. O petróleo Brent para março rompeu o nível de US$ 58,67 por barril - máxima de sexta-feira - e é negociado a US$ 59,08 por barril, com alta de 1,69%, na ICE Futures Exchange, de Londres. Segundo analistas grafistas, o rompimento dos US$ 58,67 deve levar o contrato a buscar o patamar de US$ 59,47, o pico do ano, estabelecido em 4 de janeiro. Com informações da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.